Perguntas frequentes

É um site, por isso não há software para download; é possível acessar tudo pelo navegador do seu laptop, desktop, tablet ou smartphone. Os vídeos funcionam na maioria dos dispositivos, e o vídeo interativo funciona na maioria dos desktops e laptops, usando o mouse ou trackpad. Como o vídeo interativo possui gráficos bem realistas, ele só funciona nos tablets e smartphones mais recentes. Verifique aqui se o seu dispositivo é compatível.

Sim. OMGYes é para qualquer pessoa que se preocupa com o prazer sexual feminino e quer explorá-lo mais. Aproximadamente metade dos nossos usuários são mulheres, e a outra metade, homens. Algumas pessoas acessam o site sozinhas, outras com seus parceiros.

OMGYes não é sobre o básico. Não é um guia para ensinar "como fazer". A maioria das técnicas e formas de intensificar o prazer são informações que, literalmente, nunca haviam sido pesquisadas ​​antes. Você terá acesso a novas ideias para experimentar, novas perspectivas sobre o que você já faz e como aprimorar as suas técnicas.

Qualquer pagamento referente ao OMGYes é único. Você compra o acesso apenas uma vez e ele é seu. É como a compra de um livro. Não há assinaturas, portanto, não é preciso se preocupar com cancelamentos.

Nós fizemos vários testes com os usuários para encontrar um ponto de equilíbrio entre manter a profundidade do material e com um tempo adequado. Descobrimos que os vídeos mais curtos funcionam melhor que os longos. Então, nossos editores trabalharam para criar vídeos que vão direto ao ponto; nossos 50 vídeos têm aproximadamente 4 minutos cada. É possível assistir a todos os vídeos do OMGYes em um fim de semana, sem se cansar, pois as mulheres dos nossos vídeos são muito divertidas. É como estar na companhia de amigas realmente abertas.

Seria maravilhoso se as instituições públicas fizessem concessões para as pesquisas sobre o prazer! Infelizmente, nunca fizeram ou farão isso. Então temos que cobrar alguma coisa para pagar a pesquisa em andamento, a produção e os salários de uma equipe incrível que produz e mantém o OMGyes. Cada temporada é um pagamento único, similar à compra de um livro. Todos compreendemos que livros não são de graça porque é preciso dinheiro para fazê-los. Até mesmo livros científicos ou livros sobre o meio ambiente. Todos os que consideram o OMGyes valioso e importante estão financiando essa pesquisa e produção em andamento com seus pequenos pagamentos únicos, e agradecemos por isso!

Muitos! Um usuário nos escreveu e disse que aprendeu tudo o que funcionou melhor na cama com uma parceira realmente aberta que acendeu as luzes, mostrou-lhe em detalhes o que funcionou para ela e o deixou praticar até que ficou tudo claro. O OMGYes é como estar em uma sala com um monte de mulheres que são muito abertas como essa e depois receber simulações de alta tecnologia para tentar tudo e experimentar muitos estilos diferentes de orientação e feedback.

Todas as mulheres do site colaboraram com os nossos engenheiros para criar um modelo codificado das suas preferências, reações e sensibilidades. Elas gravaram vários áudios de feedback; assim, ao tocá-las na simulação, você pode ouvir respostas variadas.

As simulações são uma maneira de modelar as diferentes formas que as mulheres dão feedback para orientar seus parceiros em relação ao que é mais prazeroso para elas. A simulação é considerada a "técnica" mais importante quando se trata do prazer feminino, pois ela fornece orientações, sugestões, experimentações e respostas em tempo real (e também é uma parte do sexo totalmente ausente das cenas de sexo na TV, filmes e pornografia). Então, após explorar cada tópico e as variações específicas de cada mulher do site, você pode experimentar a técnica no seu dispositivo com touchscreen ou computador e receber, de forma real, feedback sobre o que você pode melhorar para tornar a técnica ainda mais prazerosa.

Ao comprar o acesso ao OMGYes, nós sempre notificaremos você por e-mail quando houver novo conteúdo. Se você não quiser receber e-mails do OMGYes, você poderá facilmente optar por não recebê-los. Nós odiamos spam e prometemos jamais enviá-los.

Braintree é o nosso processador de pagamento. É de propriedade do PayPal e todo o negócio deles garante que as informações de pagamento permanecem seguras - sendo essa a razão de também ser o processador de pagamento de empresas como Uber e Airbnb. Mais sobre a Braintree e Segurança

Temos gays, transexuais e não-binários em todos os níveis da nossa empresa e temos prestado muita atenção em como usamos os pronomes e informações presentes no site. A pesquisa que fizemos para a primeira temporada foi centrada no toque da vulva e realizou-se com alguém que se identificou como mulher.

Nosso plano é integrar mais e mais as experiências de todos os tipos de pessoas, conforme desenvolvemos mais conteúdo. Também temos planos de realizar a primeira investigação sobre as especificidades do prazer para as pessoas que fizeram uma transição!

Poxa, esperamos que todos estejam bem.

Não estamos nos autointitulando especialistas, acreditamos que a sabedoria coletiva de milhares é mais forte do que a opinião de qualquer pessoa.

Nós, porém, somos os primeiros e os únicos a realizar uma pesquisa científica em larga escala e nacionalmente representativa sobre os detalhes do toque e do prazer sexual.

Ótima pergunta.

O tabu que deixa as pessoas desconfortáveis ​​observando a anatomia feminina é o mesmo que manteve o prazer das mulheres oculto por tanto tempo. Nós estamos tentando acabar com esse tabu. As pessoas estão prontas para encarar, com a mente aberta, os detalhes que fazem toda a diferença.

Variações sutis na pressão, ângulo ou consistência proporcionam sensações muito diferentes. O que uma mulher considera como “movimento circular no clitóris” pode causar dor em outra mulher que também gosta de "movimentos circulares no clitóris". Você tem que se abrir e querer realmente enxergar que as variações existem e causam sensações diferentes em pessoas diferentes.

Obrigado. Também achamos legal. Você poderia fazer uma coisa: ajude-nos a espalhar a causa. Conte aos amigos sobre o OMGYES - poste, tweet, envie um link por e-mail. Ou, se você é um escritor, escreva uma crítica honesta e pessoal sobre a sua experiência com o site, seja como uma postagem na nossa página do Facebook ou uma postagem de blog. Falar abertamente sobre este tópico é o que ajuda a espalhar a causa!

Nós somos engenheiros, educadores, pesquisadores e cineastas que, francamente, buscávamos essas informações para nós mesmos. Nós não as encontramos, e por isso decidimos que elas deveriam vir à tona, por meio de pesquisas. Deixamos nossos outros empregos e nos aventuramos nessa jornada. Leia mais sobre nós e por que chegamos aqui.

Absolutamente.

E as pessoas são diferentes em muitos aspectos; ainda há vastos campos de estudo e pesquisa a explorar sobre as outras maneiras que funcionam. Simplesmente dizer que "todo mundo é diferente" é o modo mais comum que as pessoas usam para evitar temas considerados tabus.

Um dos achados mais interessantes do nosso estudo é que, na verdade, existem técnicas e variações comuns entre a maioria das mulheres. É por isso que nós estamos apresentando os conhecimentos e técnicas predominantes da nossa pesquisa. E, ao invés de apresentá-las como uma receita a ser seguida, as técnicas são consideradas como ingredientes que podem ser combinados em milhares de formas diferentes; assim você pode criar as suas próprias técnicas.

As especificidades do prazer feminino não têm sido alvo de pesquisas até hoje porque as grandes instituições que financiam pesquisas tentam se manter longe de escândalos. A indústria farmacêutica estuda distúrbios e doenças, a saúde pública estuda comportamentos gerais, a medicina e biologia estudam o que acontece dentro do corpo durante o orgasmo. Todos esses temas são "seguros" para a pesquisa, pois são considerados "decentes" pela nossa cultura. As formas reais e específicas de toques que são agradáveis ​​para as mulheres são consideradas obscenidades.

Ei, não nos leve a mal, nós adoramos a penetração. E muitas das técnicas podem ser usadas durante a penetração. Mas a nossa pesquisa mostrou que existe uma ampla variedade de prazer sexual a ser explorada além da penetração. Na verdade, 73% das mulheres do nosso estudo disse que a estimulação do clitóris durante a penetração leva a mais orgasmos e orgasmos melhores. Como os detalhes sobre a estimulação do clitóris fazem parte de um tema que ainda não havia sido pesquisado, nós criamos a primeira temporada do OMGYes para abordar especificamente este tópico. As próximas temporadas abordarão muitos outros aspectos do prazer sexual.

Não, não é ao vivo. Para desenvolver a tecnologia, nós filmamos os movimentos das mulheres e juntamos todas as imagens de um modo diferenciado. Cada uma das mulheres trabalhou com os nossos engenheiros para programar suas sensibilidades e padrões de reação, de modo que, à medida que você toca no vídeo, você recebe um áudio de feedback para ajudar na assimilação da técnica.

As mulheres do site não são atrizes. Eles quiseram compartilhar suas experiências pessoais e esclarecer informações sobre a realidade do prazer feminino. Eles são de várias partes dos EUA, com carreiras, famílias e estilos de vida totalmente diversos.

Ao comprar a Primeira Temporada, você ganha acesso às doze técnicas e qualquer conteúdo adicionado a essas técnicas no futuro. Porém, a Segunda Temporada será uma série separada, então você terá que comprá-la separadamente.

Continuaremos com as pesquisas e lançaremos mais temporadas de técnicas e percepções. Nós apenas atingimos a superfície, ainda há MUITO MAIS a ser descoberto.

A primeira temporada com 12 episódios é principalmente sobre a estimulação externa. Estas técnicas podem ser complicadas, e literalmente nunca foram pesquisadas antes. Porém, existem também episódios sobre outros momentos reveladores que transformaram as mulheres com as quais conversamos. Um episódio é inteiramente sobre dar e receber feedback, e outro sobre o quanto o pensamento pode atrapalhar (ou melhorar) o prazer. Estamos planejando cobrir, no futuro, técnicas e ângulos de penetração e como as alterações no prazer mudam após o parto e após a menopausa.

Escreva para support@omgyes.com e nós cuidaremos de você todos os dias comerciais. O problema mais comum que os clientes têm é que eles acidentalmente digitam errado o endereço de e-mail ao se inscrever e então o e-mail/senha corretos não funcionam. Se isso aconteceu com você, nos envie um e-mail para que possamos encontrar a conta e corrigi-la para você.

O PayPal não permite transações de qualquer tipo de conteúdo adulto nos seguintes países: Austrália, Azerbaijão, Bangladesh, Bielorrússia, Botsuana, Bulgária, China, Cuba, Egito, Estônia, Faixa de Gaza, Alemanha, Guiana, Hong Kong, Índia, Indonésia, Irã, Japão, Líbano, Líbia, Lituânia, Malásia, Malta, Coreia do Norte, Paquistão, Papua Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Arábia Saudita, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Sri Lanka, Sudão, Síria, Taiwan, Tailândia, Uganda, Ucrânia, Vietnã

"OMG Yes" é uma sigla muito utilizada, que significa "Oh My God Yes!", em inglês. É o que muitas pessoas dizem ao sentir um prazer intenso, tanto dentro quanto fora do quarto.

Infelizmente, se você estiver usando o iOS na versão 8.0 ou anterior no seu iPad, as legendas podem não funcionar no seu dispositivo. Recomendamos a atualização para a versão mais recente do iOS para corrigir o problema.

Sim! Você pode trocar o idioma do OMGYes.com através das opções de idioma no canto inferior esquerdo de cada página. Atualmente, temos os seguintes idiomas disponíveis: English, Deutsch, Français, Español, Español (LA), Italiano, Português, Nederlands, 日本語, 한국어, 简体中文 e 繁體中文. Se o seu idioma ainda não está na lista, volte em breve, pois novos idiomas estarão disponíveis!

Sempre que o texto é apresentado como a voz do OMGYes, usamos o termo vulva quando estamos nos referindo à genitália externa feminina. Tomamos a decisão, no entanto, de não pedir às participantes (mulheres que aparecem nos vídeos e cujas respostas aparecem no texto citado) para alterar sua linguagem cotidiana. Queríamos que as entrevistas fossem improvisadas pelas mulheres falando franca e abertamente, como falariam com amigas. Experimentamos corrigir as participantes, mas as entrevistas, consequentemente, ficaram artificiais e nos sentimos invasivos. Então, permitimos que as participantes usassem a linguagem que fosse natural para elas.

Ver tudo